Bem Vindo

terça-feira, 19 de abril de 2016

Morre Cacique Daniel, Reserva Indigena dos Pitaguary em Luto.



Reserva Indigena dos Pitaguary em Luto, morre aos 65 anos o Cacique Daniel.Uma das mais fortes lideranças indigena do Nordeste.
Às 16 horas de hoje, será realizada uma celebração na aldeia dos pitaguary congregando algumas das principais tribos do Estado para prestar-lhe as últimas homenagens, 19 de abril de 2016.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Prédio CONTAX MOBITEL Sofre ameaça de bomba, em Fortaleza. Operadoras e o Crime Organizado.


Operadoras Sofrem ameaça de bombas em Fortaleza.

Pânico e Correria, nos  sete andares do Prédio da Contax Mobitel, site Fortaleza na av. Borges de Melo. Esquadrão antibomba pediu total evacuação. Funcionários e Gestores passaram por momento de pânico com a ameaça de Bomba no sete andar.

A insegurança é total. Crime Organizado ameaça as operadoras no Ceará.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

I RODA DE CONVERSA: Historiadores e Profissionais do Patrimônio Cultural - GEPPM/UFC



A I Roda de conversa: Historiadores e profissionais do patrimônio cultural é mais uma atividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio e Memória – GEPPM/UFC-Cnpq, que nos seus 9 anos de existência, foi se consolidando como espaço de formação e produção de diálogos dinâmicos e produtivos. É a partir desta potencialidade dialógica que a Roda se abre e convida historiadores, profissionais do campo do patrimônio cultural e alunos do curso de história da UFC para uma proveitosa tarde de conversa. As trocas de experiências e reflexões, em perspectiva com as diferentes trajetórias e percepções de cada um, se abrem num movimento que vão da formação conceitual às demandas e desafios contemporâneos que envolve a cadeia produtiva do patrimônio cultural. Estas ações contemplam a pesquisa do patrimônio a partir de diversos campos, a sua institucionalização - seja por meio de instrumentos como o tombamento ou o registro - e a sua comunicação, em um processo pautado pela colaboração entre diversos sujeitos oriundos dos mais variados lugares de fala.

O GEPPM é um grupo fundado em 2007, indexado ao diretório de grupos de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e coordenado pelo Prof. Antonio Gilberto Ramos Nogueira. O GEPPM se reúne periodicamente e tem as seguintes linhas de pesquisa: Trabalhos da Memória e Patrimônio; História e Patrimônio Documental; Patrimônio e Museus; Políticas Públicas de Preservação do Patrimônio Cultural; Cultura, Patrimônio e Cidade; e Patrimônio e Educação.

As inscrições podem ser realizadas pelo formulário eletrônico (https://docs.google.com/forms/d/1MBCh-WCiNKK5um-vdfcBSTsEV09DGPz74RPUXIHv9a8/viewform ) ou no evento. Haverá comprovação aos participantes.
O evento recebe apoio do Memorial da UFC.
Data: 14/04/2015
Local: Auditório do Departamento de História da UFC
Horário: 14h
PROGRAMAÇÃO
Primeiro Bloco, Museus e Patrimônio, 14h às 15:30:

Luis Carlos Sabadia, Diretor do Museu da Indústria do Ceará, vinculado à Federação da Indústria do Ceará;
Natália Maranhão, Diretora do Sobrado do Dr. José Lourenço, vinculado à Secretaria da Cultura do Ceará;
Pedro Eymar, Diretor do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará.
Valéria Laena, Diretora de Museus do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Segundo Bloco, Patrimônio e Documento, de 16h às 18h:

Igor Soares, Arqueólogo da Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Ceará;
Ítala Byanca, Historiadora da Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Ceará;
Lídia Eugênia, Professora do Departamento de Biblioteconomia da Universidade Federal do Ceará;
Márcio Porto, Diretor do Arquivo Público do Ceará.
Fonte: Prof. Antonio Gilberto Ramos Nogueira, Departamento de História da UFC – fones: 85 3366 7739 e 3366 7738

Josiane Vieira
Museóloga - Memorial da UFC
(85) 3366-7414

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Violência POLICIAL MILITAR contra a MULHER - Quando o ESTADO agride a MULHER. Espirito Santo - Vila Velha.


Policial militar é flagrado agredindo uma mulher no Espírito Santo
JORNAL  IMPACTO SBT


PORQUÊ A IMPUNIDADE COMEÇA COM QUEM TÊM QUE DÁ BOM EXEMPLO ?

violência contra mulheres e meninas é uma grave violação dos direitos humanos. Seu impacto varia entre consequências físicas, sexuais e mentais para mulheres e meninas, incluindo a morte. Ela afeta negativamente o bem-estar geral das mulheres e as impede de participar plenamente na sociedade. A violência não tem consequências negativas para as mulheres, mas também para suas famílias, para a comunidade e para o país em geral. A violência tem ainda enormes custos, desde gastos com saúde e despesas legais a perdas de produtividade, impactando os orçamentos nacionais e o desenvolvimento global.
Décadas de mobilização da sociedade civil e dos movimentos de mulheres têm colocado o fim da violência de gênero no topo das agendas nacionais e internacionais. Um número sem precedentes de países têm leis contra a violência doméstica, agressão sexual e outras formas de violência. No entanto, os desafios persistem na implementação dessas leis, limitando o acesso de mulheres e meninas à segurança e justiça. Em geral, não há iniciativas eficazes de prevenção da violência contra a mulher e, quando esta ocorre, muitas vezes os culpados permanecem impunes ou são condenados a penas brandas.
 
A ONU Mulheres vai priorizar o apoio à Secretaria de Políticas para as Mulheres para garantir a aplicação da Lei Maria da Penha e do programa recém-lançado “Mulher, Viver sem Violência”, que visa aumentar o acesso de mulheres e meninas vítimas e sobreviventes da violência para a rede de prestadores de serviços em todo o país. A ONU Mulheres vai promover a utilização das Tecnologias de Informação para aumentar o acesso à informação sobre direitos e serviços, bem como a aplicação de uma metodologia para medir a tolerância institucional ao sexismo e racismo nas instituições que fazem parte da rede de prestadores de serviços. Esta iniciativa inovadora também abre uma janela de oportunidades para abordar a violência obstétrica. A ONU Mulheres apoiará a produção de dados e estatísticas nacionais, incluindo um estudo sobre o feminicídio que dá visibilidade a este crime e articula argumentos a favor da sua tipificacão no Código Penal.
 
 
video
Será que existe justiça no Brasil contra um policial COVARDE que agride uma MULHER algemada, sem nenhuma ameaça aparente. A SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESPIRITO SANTO está de acordo com esse tipo de comportamento ?