Bem Vindo

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Mini-Museu Firmeza - Mondubim - Fortaleza
















Estrigas - Nilo de Brito Firmeza nasceu em 1919, em Fortaleza. Mais conhecido como Estrigas, apelido que ganhou quando ainda estudante no Liceu do Ceará, pode ser considerado hoje um dos principais protagonistas e referência obrigatória na história das artes plásticas no Ceará no século XX.

Apesar de formado em Odontologia (1947), fez carreira como artista-plástico a partir de 1950, como um dos principais articuladores da SCAP – Sociedade Cearense de Artes Plásticas, que congregou, entre outros, Mário Baratta e Raimundo Cela. Participando, desde então, ativamente do movimento artístico local e nacional, sagrou-se vencedor de diversos salões de arte, possuindo dezenas de exposições individuais e coletivas, além de ter obras no acervo de inúmeros museus de arte e coleções particulares espalhados por todo Brasil.

Fundou em 1969, juntamente com sua esposa, a também artista-plástica Nice Firmeza, o Mini-Museu Firmeza, no sítio em que reside, no bairro do Mondubim. O acervo conta a história das artes no Ceará através de vários documentos, como pinturas, reproduções, esculturas, catálogos, livros, recortes de jornais, entre outros, numa história que se confunde com sua própria vida.

Ao longo desta trajetória, também se dedicou à Literatura, publicando, entre outros livros: Aspectos Pré-Históricos no Ceará (1969), A fase renovadora da Arte Cearense (1983), Contribuições ao Reconhecimento de Raimundo Cela (1988), Barrica: o Alquimista da Arte (1993), entre outros.
Fotos: Edimar Bento

Yoga Para Deficiente Visual - Instituto dos Cegos Fortaleza



A palavra yoga vem da raiz sânscrita yuj que significa atrelar, unir, juntar. Seria então a união do ser individual (jivatman) ao Ser Supremo (paratman). Podemos considerar o Yoga como a ciência da educação integral.

O Yoga é um processo que possibilita despertar, descobrir e transformar o ser humano em todos os seus aspectos. É um caminho para a transformação pessoal, cultural e universal.

O Yoga possui inúmeras técnicas e preceitos filosóficos que ajudam o homem em seu processo de transformação.

YOGA PARA DEFICIENTES VISUAIS

Instituto dos Cegos

Av. Bezerra de menezes, 892 - Fortaleza - Ceará
Aulas ( Teresa Farah 085 - 3263 - 1247 )

Sexta-Feira ás 15.30 Horas
Foto:Edimar Bento

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

V Encontro Mestre do Mundo - Limoeiro Ceará 2010


Lançamento do V Encontro Mestres do Mundo em Fortaleza com “Terreirada”
Evento reunirá 150 mestres da América Latina em Limoeiro no mês de março

A Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID) do Ministério da Cultura, juntamente com a Secretaria da Cultura do Ceará, a Prefeitura Municipal de Limoeiro e a Comissão Cearense de Folclore realizam, no próximo dia 25, em Fortaleza, uma ação cultural com o objetivo de apresentar a 5ª edição do Encontro Mestres do Mundo, cujo tema, este ano, será “Folias e Brincadeiras”.

O Encontro acontecerá entre 17 e 20 de março, no município de Limoeiro, localizado a 198 quilômetros de Fortaleza, e reunirá cerca de 150 Mestres brasileiros e latino-americanos. Nos quatro dias do evento, os mestres das culturas populares se encontrarão para apresentações e trocas de experiências sobre seus saberes e fazeres, reunindo em um único local uma grande diversidade de tradições vindas de várias regiões brasileiras e de outros países.

Estão programadas oficinas e seminários, além de apresentações artísticas em palcos montados na Praça da Igreja Matriz. As atividades do Encontro serão divididas em cinco categorias de Mestres da Cultura: das Mãos (artesãos, bordadeiras, gravadores, etc.); do Corpo (dança, teatro e performances tradicionais); do Sagrado (penitentes, rezadeiras, profetas da chuva, entre outros); do Som (músicos, instrumentistas, luthiers); e da Oralidade (contadores de história, poetas, cordelistas e repentistas).

A Terreirada
Durante o lançamento do V Encontro dos Mestres do Mundo, que acontecerá a partir das 16 horas, será realizada uma “Terreirada”, ação também conhecida como Mestre Convida, ocasião em que um mestre da cultura popular recebe convidados em sua casa, mostrando seus costumes e a sua arte. A anfitriã do lançamento será Dona Nice Firmeza, diplomada Mestre da Cultura, cujas artes são o bordado, a pintura e a gastronomia.

A “Terreirada” acontecerá no sítio em que ela reside, na Via Férrea, bairro do Mondubim, em Fortaleza (CE), que também abriga o Minimuseu Firmeza, e contará com uma apresentação do Boi Ceará de Mestre Zé Pio (Fortaleza).

O Ceará, referência para os estados brasileiros no desenvolvimento de políticas de preservação e promoção do patrimônio imaterial, apresentará, por meio da Secretaria de Cultura do Estado, durante a Terreirada, os sete novos Mestres da Cultura selecionados no último edital da Lei dos Tesouros Vivos. Com o diploma, os novos Mestres são contemplados com um salário mínimo mensal, temporário ou vitalício. Atualmente, o Estado possui 50 Mestres da Cultura reconhecidos pela lei. Além deles, o edital prevê duas outras vagas para o registro de grupos e duas vagas para registro de coletividades (comunidades).

Na ocasião, será apresentada a nova edição do evento pelo diretor de Políticas da Diversidade e da Identidade da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Ricardo Lima, pelo secretário da Cultura do Estado do Ceará, Auto Filho, e pelo presidente da Comissão Cearense de Folclore, também parceira na realização do Encontro de Mestres do Mundo, Clerton Martins.

Ainda durante o lançamento, serão apresentados os produtos do último Encontro (um DVD, um catálogo e o registro em livro das ações educativas) que aconteceu em Juazeiro do Norte, no Cariri, em 2008. Na sequência, será servido um coquetel regional aos convidados.

A anfitriã da Terreirada
Dona Nice é artesã, artista plástica e professora e ministra cursos de desenho, pintura e bordado. Foi a primeira mulher a ingressar na Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP) como aluna do Curso Livre do Desenho e Pintura e de Iniciação à História da Arte, ainda na década de 1950. Fundou em 1969, juntamente com o marido, o artista plástico Estrigas, o Minimuseu Firmeza, que fica no sítio onde reside no bairro do Mondubim. O acervo soma mais de 700 obras das mais diversas épocas da história da arte cearense, além de livros e documentos.

Mais informações para a imprensa sobre o assunto com a AD2M Engenharia de Comunicação, pelo fone (85) 3258.1001. Falar com Bruno Sampaio (85) 9605.0462 pelo e-mail bruno@ad2m.com.br

http://www.cultura.gov.br/site/2010/02/18/lancamento-do-v-encontro-mestres-do-mundo-em-fortaleza-com-terreirada/

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

deVERcidade - Dentro e fora do olhar 2010 - Fortaleza - IFOTO



Um total de 43 fotógrafos de 11 estados e do Distrito Federal foram selecionados para o deVERcidade 2010, evento de fotografia que acontece de 24 a 28 de fevereiro no entorno do Mercado dos Pinhões, em Fortaleza. Cada selecionado participará com um ensaio, ou seja, um único trabalho, composto por algumas imagens, com exceção de dois expositores de Fortaleza, Fred Benevides e André Quintino Lopes, que entram com instalações.

Foram mais de 280 inscrições, que representaram 2.686 fotografias em propostas de exposições e 49 projetos de instalação. Os trabalhos inscritos foram analisados pela curadoria composta por Silas de Paula (Fotógrafo, Professor da Universidade Federal do Ceará – UFC e Curador do IFOTO), Paulo Amoreira (Designer, Fotógrafo, Coordenador de Mídias Digitais da Secretaria de Cultura de Fortaleza – SECULTFOR e Curador do IFOTO), Tiago Santana (Fotógrafo, Editor e Curador do IFOTO), Eduardo Frota (Artista Plástico e Curador), André Scarlazzari (Diretor de arte e Cenógrafo) e Bia Fiúza (Fotógrafa e Diretora do IFOTO).

Mais três artistas e dois coletivos foram convidados para apresentar trabalhos na mostra. São eles, os artistas visuais José Tarcísio, Alexandre Veras e Milena Travassos e os coletivos Balbucio e Alumbramento. Além destes, o deVERcidade contará ainda com alguns trabalhos do homenageado desta edição, o fotógrafo baiano Mário Cravo Neto, falecido em agosto de 2009. Nos anos anteriores foram homenageados o historiador Nirez e os fotógrafos Chico Albuquerque e José Albano.

O deVERcidade é uma realização do IFOTO, com patrocínio da Oi Futuro, Governo do Estado do Ceará, via Secretaria da Cultura, e Prefeitura Municipal de Fortaleza.

Selecionados para o deVERcidade 2010:

De São Paulo: Alberto Oliveira, Beatriz Moreira Pontes, Célia Regina Menezes Mello, Daniel Bittencourt Ducci, Fernanda Prado, Fernanda Preto Mariano, Iatã Cannabrava, Isaumir Nascimento, Lívia Aquino, Márcio Bezerra de Melo Távora, Natália Braga Tonda, Paulo Pereira - Grupo Reverbe.

De Ceará: Analice Cunha Diniz, André Quintino Lopes, Aziz Ary Neto, Camila Leite de Araujo, Frederico Benevides Parente, Haroldo Bezerra Saboia Filho, Henrique José de Almeida Torres, Julia Franco Braga, Leonardo Ferreira Melo, Pedro Henrique Martins Pinto e Sergio Carvalho.

De Rio de Janeiro: Ana Dalloz, Antonia D'Orazio, Antonio Carlos de Faria Junior, Gustavo Pellizzon, Jose Eduardo Nogueira Diniz, Leandro Pereira da Costa e Maria Cristina Ribeiro de Paranaguá.

De Minas Gerais: Francilins Castilho Leal (Lagoa Santa/MG), Leonardo Costa Braga (Caeté), Pedro David de Oliveira Castello Branco e Samantha Alvares da Silva Campos (Belo Horizonte)

De Bahia: Jonas Silva Grebler e Mariana David de Aragão.

De estados com um selecionado: Usha Velasco (Brasília/DF), Luana Navarro (Curitiba/PR), Paulo José Rossi (João Pessoa/PB), Ricardo de Carvalho Junqueira (Natal/RN), Mateus Sá Leitão de Castro Soares (Olinda/PE), Márcio Henrique Furtado Vasconcelos (São Luís/MA) e Bruno Saiter Zorzal (Vitória/ES).


http://www.secult.ce.gov.br/noticias/ifoto-seleciona-43-fotografos-para-o-devercidade-1

Mundo Jurássico Fortaleza




Fortaleza recebe “Mundo Jurássico”, uma mega exposição de réplicas de dinossauros


Depois de passar por São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, de 04 de março a 04 de abril é a vez de Fortaleza ser a primeira capital do Norte / Nordeste a receber a exposição de dinossauros “Mundo Jurássico”. Composta por seis esqueletos e 25 réplicas em tamanho natural dos animais pré-históricos, a alta tecnologia proporciona sons e movimentos precisos, como se os dinossauros estivessem em seu habitat natural há milhões de anos. Além de divertir e emocionar, a exposição também é didática, composta por visitas guiadas, tenda de souvenires, área de alimentação e recreação, oficinas e ambientes interativos.

O Mundo Jurássico será montado no estacionamento do shopping Iguatemi em uma tenda climatizada de três mil metros quadrados, com dez metros de altura, e estará aberto ao público de terça a sexta, das 15h às 21h, e aos sábados e domingos, das 10h às 21h. Os ingressos variam de R$ 20,00 a R$25,00 e colégios podem agendar visitas com a Cynthia 85 - 9687.1813. Mais informações pelos fones: 85 - 3261.0665 / 3261.0654 (Free Lancer Producções) ou pelo site: www.mundojurassico.com.br.

Dentre as réplicas que prometem encantar crianças e adultos, o público vai poder conferir o famoso e temido Tiranossauro Rex, cujo nome significa réptil rei tirano e é considerado um dos maiores predadores até hoje existentes. O T-Rex viveu na América do Norte entre 70 e 65 milhões de anos atrás e um animal adulto poderia medir até seis metros de altura e 15 metros de comprimento.

Contemporâneo do T-Rex, porém herbívoro, o Tricerátops é famoso pelos três chifres no seu rosto: dois com cerca de um metro de comprimento sobre os olhos e um de cerca de 20 cm de comprimento na ponta do nariz. O dinossauro media até três metros de altura e tinha nove metros de comprimento, podendo pesar entre seis e oito toneladas.

Exemplares que viveram há ainda mais tempo também estarão na mostra, como é o caso do Braquiossauro, que viveu entre 150 e 140 milhões de anos atrás em praticamente todos os continentes. O Braquiossauro é um dos maiores animais da época, chegando a medir até 22 metros de altura e pesar 80 toneladas – quase dez vezes mais que um elefante.

Durante a visitação, as pessoas poderão fazer o percurso em grupo ou individualmente. Se preferirem, podem contar com acompanhamento de guias bem informados ou se orientar pelos diversos totens ilustrativos com textos sobre a história da vida antes do homem, dos dinossauros, da sua classificação, dos fósseis e muitas outras curiosidades.

Além de o público ver e admirar as figuras animadas, montadas em cenários que recriam a vida dos dinossauros e sua trajetória pela Terra, no ambiente interativo crianças e adultos poderão mover réplicas através de joysticks. Em mesinhas, será possível fazer pequenos trabalhos educativos e ainda há uma simulação de escavação para retirada de fósseis de dinossauros.

O investimento é de 1,5 milhões de dólares e a produção local é da Free Lancer Producções e Sete Sete Eventos. Para tornar o projeto bem atrativo e ao mesmo tempo desenvolver o conceito de divertimento aliado à aprendizagem para crianças e adultos, a exposição conta com técnicos especialistas em montagens de cenários cinematográficos, cenógrafos, museólogos, arquitetos e paisagistas que criaram o visual e funcionamento de todo o aparato desta mostra.

Serviço Exposição Mundo Jurássico

Local: Estacionamento do Shopping Iguatemi

Data: Visitação de 04 de março a 04 de abril de 2010

Horário de Funcionamento: de terças a sextas, das 15h às 21h / sábados e domingos, das 10h às 21h

Ingressos: de terça a sexta, R$ 20,00 / sábados e domingos, R$ 25,00

Projeto Escola: informações e agendamento com Cynthia, no 85 9687.1813

Mais informações: Free Lancer Producções 85 3261.0665 / 3261.0654


Jornalistas Responsáveis: Ana Peyroton e Isabelle Vieira
Fones: 85 3458.1235 e 3458.1167 - E-mail: imprensa@divulgaacao.com


Este endereço de e-mail está protegido contra spambots.


Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. –




terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Bauhinia Microstachya,Cipó Escada de Macaco - Serra de Baturité - Ceará


Bauhinia splendens HBK (Leguminosae)

É uma planta nativa, encontrada abundantemente na mata atlântica de diversas regiões do Brasil, sendo conhecida como "cipó-unha-de-boi", "escada-de-macaco" ou "escada-de-jabuti", devido à peculiaridade de sua casca, muito similar a uma escada. É amplamente empregada na medicina popular para combater diversas patologias, principalmente aquelas associadas a processos infecciosos e dolorosos13.

Foi verificado em nossos laboratórios que tanto as folhas como o caule desta planta possuem princípios ativos que atuam como analgésicos em modelos experimentais com camundongos14,15. O mecanismo de ação analgésica do extrato hidroalcoólico dos caules não parece envolver os receptores opióides16. Também foi avaliado o perfil antibacteriano de alguns extratos e frações obtidos desta planta, cujos resultados indicaram a eficácia dos extratos mais polares contra distintas bactérias patogênicas, como Staphyloccocus aureus e Salmonella typhimurium17.

A análise fitoquímica preliminar indicou a presença dos flavonóides rutina (2) e quercetina (3)18, dois compostos conhecidos que apresentam importantes efeitos farmacológicos19,20 além de uma mistura complexa de taninos18.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Quitéria Calixto em Fortaleza - Lágrimas de Sangue


O canal lacrimal não possui nenhuma alteração. A pressão ocular está normal e a visão também não foi atingida. Os exames realizados ontem de manhã em Fortaleza atestavam mais uma vez que a agricultora Quitéria Calixto, 40, não apresentava nenhum problema nos olhos. Há uns oito meses, ela afirma chorar sangue. ``Não dói, não arde e nem coça. Simplesmente começo a derramar lágrimas de sangue``, explica para o médico oftalmologista Eron Moreira, da clínica Nossa Senhora de Nazaré.

A indicação era então um internamento no Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) para investigar com mais profundidade o caso. Entretanto, Quitéria não quis. Ela acredita que foi curada. ``Há dois dias não choro mais sangue. Fiz uma promessa a São Francisco e fui curada``, justificou, após assinar um termo de responsabilidade por ter negado o atendimento especializado. Ela veio a Fortaleza acompanhada da amiga, Silvana Silva, e do diretor clínico do Hospital de Caririaçu, Duclieux de Freitas, para ser examinada. Antes, Quitéria já tinha sido consultada em outros dois hospitais, na região do Cariri.

Segundo o oftalmologista Eron Moreira, seria preciso uma tomografia e ressonância para obter um diagnóstico mais preciso sobre o caso de Quitéria. ``Os exames oftalmológicos não apontaram nenhum sinal de hemorragia. A visão dela está perfeita, nem de óculos precisa``, disse. A oftalmologista do HUWC, Joana Gurgel, acrescentou que uma equipe multidisciplinar e um leito tinham sido reservados para o tratamento de Quitéria no hospital.

A agricultora afirma que a última vez que chorou sangue foi na quarta-feira (17). ``Meu rosto ficou cheio de sangue e fiz uma promessa para que esse choro fosse acabando aos poucos``, comenta. A notícia de que iria ficar internada sem acompanhante e que receberia anestesia local para a realização de alguns exames a assustou. ``Os médicos já disseram que não encontraram nenhum problema. Ninguém mais mexe nos meus olhos``, sentenciou.

Ainda na tarde de ontem, Quitéria retornou para Caririaçu, distante 503 quilômetros de Fortaleza. Ela disse que assim que chegar a cidade natal iria à igreja agradecer a São Francisco pela graça alcançada. ``Não vou nem entrar em casa, vou direto para a igreja. Confio na minha cura. Pedi que as lágrimas de sangue fossem parando aos poucos e aconteceu``, celebra.

BASTIDORES

Ontem de manhã, Quitéria chegou à clínica Nossa Senhora de Nazaré para a consulta com o médico Eron Moreira. Acompanhada de uma amiga e do diretor clínico do Hospital de Caririaçu, ela dizia estar tranquila.

Vários meios de comunicação acompanhavam o caso. Quitéria não se mostrou incomodada e disse que estava feliz em contar com o apoio da população. Ela comentou também que tinha feito uma promessa a São Francisco.

Durante a consulta, Quitéria afirmou que não chorava sangue há dois dias. Ela mostrou os últimos exames que tinha feito, inclusive uma tomografia facial.

Eron Moreira realizou vários exames oftalmológicos, entre eles, de acuidade visual e expressão do canal lacrimal com sondagem. Não foi detectado problema.

Enquanto era encaminhada ao HUWC, ela disse que não ficaria internada sem a companhia da amiga, Silvana Santos.

Foi aberto um prontuário para Quitéria no HUWC. Os exames foram repetidos. Mais uma vez, não foi detectada alteração.

Quitéria assinou termo de responsabilidade ao se negar ser internada e retornou a Caririaçu.
Leia matéria na integra:
http://www.noolhar.com/opovo/ceara/955359.html

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Portal da Transparência -Tribunal de Justiça do Estado do Paraná




Matéria da Rede Record de Televisão me deixou curioso.
Copeiro ( C11 R$ 2.467,64 )
Ascesorista (C11 R$ 2.467,64)
Agente Serviços Gerais ( C11 R$ 2.467,64)
Arquiteto (E-09 R$ 4.418,43 + R$ 3.534,74 + R$ 12,57 + R$ 13,78 + R$ 100,00
Leia tambem:http://www.tj.pr.gov.br/athos-prd/AnexoIIIa_1_1.html

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Campanha da Fraternidade 2010 - ECONOMIA E VIDA


Campanha da Fraternidade quer colaborar com economia a serviço da vida, diz secretário do Conic



Foi aberta nesta Quarta-feira de Cinzas, 17, em Brasília, a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010 (CFE), com o tema “Economia e Vida” e lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro (Mt 6, 24)”. O evento contou com a participação dos representantes das cinco Igrejas membros do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), responsável pela Campanha deste ano por ser ecumênica.

Durante a abertura, cada representante falou à imprensa presente sobre os objetivos centrais da Campanha. O secretário geral do Conic, reverendo Luiz Alberto Barbosa, destacou a importância da CFE para a sociedade, de modo especial com a temática tratada este ano. “Com esta Campanha queremos colaborar com uma economia a serviço da vida fundamentada no ideal da cultura da paz, a partir do esforço conjunto das Igrejas Cristãs e das pessoas de boa vontade, tendo em vista uma sociedade sem exclusão”.

O representante da CNBB, no ato, o arcebispo de Montes Claros (MG), dom José Alberto Moura, leu a mensagem do sumo pontífice, o papa Bento XVI, para a CFE, na qual ele destaca a temática da campanha para a libertação das pessoas da escravidão do dinheiro. Em sua fala, dom Alberto, que é presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Interreligioso da CNBB, ressaltou a importância da Campanha Ecumênica para reforçar os laços que unem as Igrejas membros do Conic. “O ecumenismo nos faz testemunhar a fé em um único Deus, além de reforçar esses laços e indicar que todos somos os seus filhos; e nessa união, queremos nos colocar a serviço Dele”.

Questionado se a Campanha apresentará, durante o seu desenvolvimento, ao longo de 2010, um novo modelo de economia “mais solidário” do que o atual, o arcebispo de Montes Claros respondeu. “A economia não é algo odiado, porém é preciso atentar para o seu modo de usá-la e desenvolvê-la. Não fazemos uma crítica a uma pessoa ou governo, mas a uma mentalidade de concentração de renda e de colocar a economia como finalidade de vida em que poderíamos olhar mais a pessoa humana, principalmente as pessoas excluídas que devem ser mais consideradas”, frisou. Dom Alberto Moura falou ainda que a estrutura da Campanha não parte do econômico e ideológico, mas do Evangelho. “É justamente com o espírito da Quaresma que queremos colocar em discussão a economia que nos serve. Não vamos apresentar um novo modelo e derrubar o que está aí, mas queremos com esse tema dar mais razão à pessoa do que ao econômico”, completou.

“A temática da CFE-2010 nos coloca na posição de nos perguntarmos a quem, a rigor, queremos servir, se é a Deus ou ao dinheiro”, disse o presidente do Conic, o pastor sinodal, Carlos Augusto Möller, citando o lema da CFE. De acordo com ele, a frase bíblica representa uma inquietude de Jesus Cristo, sobre a escolha que devemos fazer também nos dias de hoje. “Sobre a discussão que vamos travar não só nas igrejas, mas também na sociedade, de modo geral, essa mesma inquietude de Jesus deve também ser discutida nos dias atuais, em que o lucro a todo o custo se sobrepõe à vida”, sublinhou.

O presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e moderador do Conselho Mundial de Igrejas, pastor Dr. Walter Altmann, disse que a campanha é favorável para que as pessoas participem de suas comunidades, com o objetivo de transformar o mundo, hoje, “marcado por tanta violência e tamanhas injustiças”.


Fonte: http://www.cnbb.org.br/

Quitéria Calixto de Lima,Caririaçu (503 km de Fortaleza), Lágrimas de Sangue.




Quitéria Calixto de Lima, 40 anos, não para de chorar há cerca de oito meses. Ela verte lágrimas por dois motivos. Primeiro, acredita estar gravemente doente. Segundo, o líquido que sai dos seus olhos não é composto por água, sais minerais e proteínas, mas por glóbulos brancos, hemácias e plaquetas. Sim: dona Quitéria chora sangue todos os dias. Daí a angústia.

De lá para cá, a agricultora precisa da ajuda das vizinhas e da mãe para lavar a própria roupa, sempre encarnada, e esfregar o chão da casa, que vive escorregadio. ``Meus olhos não param de sangrar. É diariamente. Estou sem me alimentar e muito fraca``, fala a aposentada, por telefone. Dona Quitéria mora em Caririaçu (503 km de Fortaleza), na Januário Borges, uma rua do bairro Pernambuquinho.

Nos últimos cinco dias, o número 441 da Januário vem recebendo uma pequena romaria de curiosos. Num instante, espalhou-se a história da mulher pobre de cujos olhos escorrem lágrimas de sangue. ``Já vieram padres, crentes, médicos, jornalistas. Mandaram rezar, tirar os santos das paredes. Dizem que é um mistério, que é macumba, que é milagre. Eu só quero saúde e uma casa própria``.

Mistério ou não, a primeira lágrima de sangue atravessou o rosto dela em 2008. Começou com uma dor aguda nos olhos. Logo a agricultora viu escorrer um líquido ``tipo um óleo``. Dona Quitéria, que vive com o marido e dois filhos adolescentes, procurou o Hospital Santo Antônio, em Barbalha. Lá, ``eles fizeram uma tomografia facial, mas não acusou nada. Só passaram remédio pra dor``. Já no hospital São Vicente de Paulo, também no Cariri, dona Quitéria foi atendida por um oftalmologista cujo diagnóstico foi: a senhora não tem nada.

O comerciante Francisco Calixto de Lima, 31 anos, relata que, quando a irmã sente dores fortes na cabeça, sai correndo pela rua, gritando. ``Temos que pegar e trazer de volta``. Francisco também diz que três ou quatro padres já visitaram dona Quitéria. Ela corrige: apenas ontem, foram dois. ``Eles trazem conforto, o coração fica mais aliviado``.

Novo exame
Embora não possa visitar dona Quitéria porque tem a saúde minguada, Maria Calixto, 78, prima em quarto grau, envia mensagem pela reportagem: ``Enquanto existe vida, existe esperança. Nada para Deus é difícil``. Dona Maria mora a alguns quarteirões da casa da prima. O pequeno Cícero Calixto de Lima, 13, também está preocupado com a mãe. Diz que sai para brincar, mas logo retorna para casa. ``Eu mando ela se acalmar, digo que ela vai ficar boa``.

Na última terça-feira, 9, dona Quitéria fez exame de sangue em clínica particular de Caririaçu. ``Uma senhora de Juazeiro me ajudou``. O resultado fica pronto hoje. Dona Quitéria diz que, nesse momento, não sente nada. De repente, silencia no telefone. Retoma a fala cansada para repetir o que tem sido um bordão: ``Começou a sangrar novamente``. Para dona Quitéria, ``se for algum mistério, algum milagre, eu aceito de coração. Se Deus quiser me levar, eu aceito``. Sente-se segura, protegida por um rosário atado ao pescoço, ``todo sujo de sangue``.

Leia matéria:http://www.noolhar.com/opovo/ceara/952645.html
Que a Medicina Mundial tome conhecimento e especialistas que possam atendê-la Gratuitamente, pois se trata de pessoa simples e sem posses.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

O Rabequeiro - Construtor de Rabecas - Mestre Antonio


O rabequeiro, ao lado do repentista, do cantador e do violeiro, integra uma força cultural milenar que foi transplantada para o nordeste brasileiro onde vicejou quase sempre na marginalidade. O tocador de rabeca e a arte de poetizar tangendo o instrumento mistura arabidade, ibericidade e nordestinidade na formação das essências sonoras brasileiras. Está nas insígnias dos estandartes armoriais de Ariano Suassuna, Cussy de Almeida, Antônio José Madureira e Antônio Nóbrega.


Quem anda nas feiras e escuta de longe os sons das rabecas é como quem anda no mato e escuta os sons das cigarras. Não se sabe bem de onde eles vêm, embora em ambos os casos esses sons vibrem como ardente recurso de atração que explodem de dentro de corpos querendo encantar. A voz rude dos rabequeiros e o som sujo das rabecas falam da vida e suas circunstâncias, de inspiradas paixões e dolorosos lamentos em cantigas de vontade de dizer, de rasgar do peito sentimentos intensos.


A rabeca encontrada nas praças, nas feiras, nas rodas de ouvintes e nos espetáculos das bandas performáticas voltadas para a cultura popular, como a Mestre Ambrósio, de Recife, e a Dona Zefinha, de Itapipoca, vem de uma tradição musical constituída por elementos indianos, mesopotâmicos (Iraque), persas (Irã) e gregos, que se embrenharam na vida nordestina, sem que essa gente oriental tenha atravessado o Atlântico e desembarcado nas caravelas coloniais.


Luís Soler, violinista catalão que na década de cinqüenta do século passado escolheu o Brasil para viver, salienta em seu livro ´Origens árabes no folclore do sertão brasileiro´ (Ed. UFSC, 1995), que a ocupação do sertão nordestino ocorreu em plena Renascença (séc XIV a XVI), período que recebeu grande influência dos árabes medievais, com destaque para o estudo da música como Ciência matemática e para a introdução na cultura européia dos instrumentos de cordas friccionadas com arco.Para ele, a música renascentista jamais teria sido a mesma sem os empréstimos dos instrumentos árabes que foram adaptados como alternativa à polifonia das vozes humanas. E entre esses instrumentos estava o rabab (ou rebab), que evoluiu para rabeca, modificando seu formato, mantendo o som possante e estridente e sobrevivendo à sofisticação do violino e de toda a música sinfônica que se estabeleceu como padrão no chamado renascimento das artes.


Em uma investigação mário-de-andradeana feita por Gilmar de Carvalho, no período de 2004 a 2006, o pesquisador gravou depoimentos e execuções de rabeca com mais de uma centena de rabequeiros em mais de quarenta municípios cearenses. O material colhido nesse levantamento está reunido no livro Rabecas do Ceará (Laboratório de Estudos da Oralidade UFC/Uece), que conta com belas fotos de Francisco Sousa e inclui um cd com 43 preciosos registros sonoros. A edição, datada de 2006, acaba de sair das máquinas da Expressão Gráfica para cumprir seu papel primordial de dar perpetuidade à geografia humana da rabeca no Ceará.Os rabequeiros nordestinos são remanescentes de uma escola de luteria primitivista, sustentada pelo conhecimento de carpintaria, de retelhadores de casas, de fabricantes de móveis e de construtores de embarcações populares.


Em seu ímpeto de descobrir sonoridades perdidas, Gilmar conta que eles pareciam cristalizados diante das novas tendências em que a rabeca volta à cena musical com a retomada da tradição como pressuposto de uma criação contemporânea.O tom do pesquisador é menos de felicidade pelo retorno do instrumento aos palcos, em espetáculos de bandas de música de raiz, de forró de rabeca e do pop-nordestinado, e mais de ressentimento pelo fato dessa visibilidade chegar ´um pouco tarde´ para a maioria dos rabequeiros tradicionais. Ainda que lastimoso nesse sentido, Gilmar de Carvalho afirma, no texto de apresentação do livro, que não há pessimismo em sua obra, por considerar a possibilidade de o seu trabalho vir a ser aprofundado no futuro ´pela etnomusicologia, pela antropologia ou pela estética´.


Os textos do livro revelam com a fluência cativante da oralidade como os rabequeiros descobriram o instrumento, o que chamou a atenção de cada um para a rabeca, porque deu vontade de tocar e quais as conseqüências disso tudo em suas vidas. Os termos e as expressões utilizadas dariam para fazer um dicionário do Ceará de dentro. Além de preservar palavras e dizeres que atravessaram o tempo e os continentes pelo caminhar nem sempre percebido da cultura, Gilmar descreve com maestria a localização do encontro e coloca generosamente o leitor sentado ao lado para ouvir a conversa.


Os relatos de Rabecas do Ceará me fizeram recordar de uma conversa que tive certa feita com o lendário Cego Oliveira (1912 - 1997), no sítio Cipó, onde ele morava, nas cercanias de Juazeiro do Norte. Ao perguntar a ele qual a música que ele mais gostava de tocar, ele pegou a rabeca e tocou para mim uns trechos de uma velha cantiga de feira que adaptei com o título de ´Serenata´ e gravei, com a interpretação lírica de André Vidal, no meu cd Rolimã (Camerati, 1994). O que me atraiu naquelas passagens rascantes foi a remota sonoridade ultramarina e o seu caráter etiológico: ´Minha gente eu vim de longe, eu vim de longe / somente a passear / a um chamado dos amigos / só se for por um perigo / eu vou faltar, eu vou faltar´.


Gilmar de Carvalho explica que os rabequeiros, por não estudaram teoria musical nem técnica de tocar o instrumento, atribuem a um dom, a paixão e a intensidade com que se dedicam a tocar rabeca de ouvido. O que eles traduzem como dom eu entendo como rastros semelhantes aos das pegadas vocabulares deixadas pela perna invisível da cultura. O exemplo disso pode ser escutado na composição cearabiense ´A Rural´, de Neo Pi Neo, na qual o nosso costume de trocar a letra ´vê´ pela letra ´r´ é genialmente trabalhada em expressões que trocam ´vai partir´ por ´rai´arribáa´; ´Vamos ver o mar´ por ´Ramu rê u má´; ´Não vá lá nadar / Você vai se afogar´ por ´Num rá lá nadá / Rocê rai s´afogáa´.


Assim como as palavras e as expressões antigas que permanecem como patrimônio coletivo profundo da nossa cultura, em algum lugar do passado, em alguma época não identificada, o som da rabeca ecoa na malha do tempo para dar permanência e sentido à vida dos rabequeiros. Não importa se isso acontece quando uma banda sobe ao palco ou quando numa feira um cego cantador toca rabeca, o importante é que a rabeca segue dando prosseguimento ao que o ser humano tem de mais seu, que é a capacidade de expressar sentimentos pela arte.


O artista pernambucano Antônio Nóbrega conta com indisfarçável satisfação que na adolescência tocava violino, mas que a sua vocação para brincante foi despertada pela rabeca. Em uma entrevista que concedeu à revista Caros Amigos (jan/2004) ele destaca a riqueza desse instrumento feito de madeiras diferentes, com técnicas diferentes e muitas vezes pelo próprio rabequeiro. Destaca também o fato de o rabequeiro não ter formação musical e, por conta disso, empregar na sua maneira de tocar e de cantar uma série de floreios e portamentos que expressam com plena autenticidade um temperamento e um pulsar coletivos. Tais observações se coadunam perfeitamente com as falas e os sons da velha guarda da rabeca fixados no instigante livro de Gilmar de Carvalho.





Nome: Antônio Pinto Fernandes
Nome Artístico: Mestre Antônio
Data de Nasc.: 12/05/1924
Tradição Cultural Desenvolvida: Construtor de Rabecas"Rabequeiro Instrumentista que toca uma espécie de violino não-padronizado, que anima as festas e folguedos populares no interior do Brasil"
Cidade: Aurora

Rabecas do Ceará de Gilmar Carvalho


Rabecas do Ceará


Gilmar de Carvalho


Expressão Gráfica (Laboratório de Estudos da Oralidade UFC/Uece), fotos de Francisco Souza e inclui um cd com 43 preciosos registros sonoros. Edição, datada de 2006.
Sinopse
No livro Rabecas do Ceará, de Gilmar de Carvalho, estão catalogados 105 rabeqieiros. A maior parte deles está em Tauá (Inhamuns) e Guaraciaba do Norte (Ibiapaba) com 16 e 12, respectivamente.
Sobre o autor
Gilmar de Carvalho entrevistou luthier em Irauçuba, Uruoca, Saboeiro, Arneiroz, Varjota, Granja, Aurora, Quiterianópolis, Baixio, Graça, Carnaubal, Viçosa do Ceará, Itapajé, Reriutaba, Boa Viagem, Acopiara, Senador Pompeu, São Benedito, Quixadá, Crateús, Iço, São Benedito, Tianguá, São Luis do Curu, Pedra Branca, Caririaçu, Parambu, Quixeramobim, Umirim, Iracema, Mombaça, Madalena, Miraíma, Quixadá, Itapipoca, Novo Oriente, Sobral, Tabuleiro do Norte, Juazeiro do Norte e Independência.

Ceará Cabloco - Edilson Pinheiro - TVCeará - O Livro Rebecas do Ceará


Pioneiro no Estado na temática regional, o programa Ceará Caboclo mostra com descontração a riqueza cultural nordestina. Há anos a programação vem conquistando a audiência do público da capital e de todo o interior. Apresentado por Dilson Pinheiro, numa linguagem bem cearense, o programa leva ao ar: o repente, o cordel, a embolada, o folclore e todos os ritmos da terra, com a participação também de grandes nomes de nossa música.No seu Programa dominical, Edilson Pinheiro apresentando o Livro Rebecas do Ceará de Gilmar de Carvalho, por sinal,muito importante pela pesquisa e estudo, resolvi comentar no meu blog, e tambem procurar algumas anotações Web afora.


Programa Ceará Cabloco : domingo ás 10.horas e reprises ás 19.horas(quarta-feira)

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Copa 2014 - Governo Cearense Não Pode Vacilar, Reformas Já, A Copa é Nossa-Castelão - Fortaleza -Ce


Ainda com processos licitatórios em andamento, a Copa de 2014 já dá sinais de que suas construções sofrerão atrasos. De acordo com levantamento realizado pela Folha de S. Paulo, publicado na edição deste domingo, pelo menos sete dos 12 estádios que receberão partidas do Mundial do Brasil não deverão ter as obras iniciadas até o dia 1º de março, prazo máximo estipulado pela Fifa.

O Maracanã, a Arenas das Dunas, o Castelão e a Arena Recife estão com os processos licitatórios de execução das obras atrasados e só devem começar a preparação para a Copa-2014 depois do início de abril. Provável palco da final do torneio, o estádio do Rio de Janeiro não tem data definida para o início das obras. A previsão é que as reformas sejam iniciadas em agosto. As adaptações do entorno são esperadas para março.

Preocupado com atrasos que possam comprometer o projeto de Copa, o ministro do Esporte, Orlando Silva Jr., disse na última quinta-feira que “acendeu a luz amarela”. De acordo com a Folha, as autoridades consideram que a situação da Arena das Dunas, em Natal, é a mais preocupante.

Os dirigentes temem que o início das obras demore ainda mais e fique somente para o segundo semestre. A nova arena de Pernambuco também é motivo de dúvidas, já que o Governo do Estado patina para aprovar a licitação, que vai conceder a administração do estádio por 30 anos ao vencedor.

Outro projeto que está atrasado é o Castelão, em Fortaleza. As obras começarão em 5 de abril. “Mudamos o edital algumas vezes, mas o importante é a data de conclusão da obra. Vamos trabalhar muito para entregar o estádio em dezembro de 2012 [data exigida pela Fifa para definir as cidades que vão receber a Copa das Confederações em 2013]. Isso garantimos”, afirma Ferruccio Feitosa, secretário de Esportes do Ceará.

As licitações das obras das arenas de Manaus, Brasília e Cuiabá estão bem encaminhadas. Já o Mineirão e a Fonte Nova experimentam situação mais confortável. Sem necessidade de passar por processos licitatórios para a execução das obras, os estádios particulares - Morumbi, em São Paulo, Arena da Baixada, em Curitiba, e Beira-Rio, em Porto Alegre - já começaram a sofrer intervenções para o Mundial de 2014.
leia:
http://copadomundo.uol.com.br/2010/ultimas-noticias/2010/02/14/atraso-na-construcao-de-sete-estadios-da-copa-de-2014-preocupa-fifa.jhtm

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Carnaval é Tambem momento de Paz e Harmonia - Retiros em época de Folia


24º RENASCER 2010


Durante o evento, a organização estará arrecadando alimentos não-perecíveis que serão destinados às vítimas do terremoto no Haiti. Além disso, uma unidade móvel do Hemoce estará no local para a coleta de sangue e cadastro para doadores de medula óssea. Participam do Renascer o fundador da Comunidade Shalom, Moysés Azevedo, a co-fundadora, Maria Emmir Nogueira, o padre Antônio Furtado e o carmelita descalço, frei Patrício Sciadinni.

Tema: A alegria nasce do amor!
Data: 14, 15 e 16 de fevereiro
Horário: a partir de 8h
Local: Ginásio Paulo Sarasate
Presenças: Moysés Azevedo, Emmir Nogueira, Pe Antônio Furtado, Frei Patrício Sciadini
Preço: Entrada Gratuita
Informações: (85) 3261 4444/ 3295 4583/ 3087 6047

XII ENCONTRO DE MOCIDADES ESPÍRITAS DO CEARÁ (EMECE)
Promovido pela Federação Espírita do Estado do Ceará (Feec), são esperados aproximadamente 500 jovens espíritas e não-espíritas entre 12 e 21 anos.
Tema: Valorização da Vida
Data: 13 a 16 de fevereiro
Local: Lar Fabiano de Cristo & UPI Virgínia Smith (Rua Jaime Rolemberg, 100 & Maraponga)
Informações: (85) 8892.3646

ACAMPAMENTO DE CARNAVAL DA IGREJA BATISTA CENTRAL
Na programação, palestras e jogos noturnos prometem um carnaval animado. O acampamento deve promover reflexão sobre resgatar sonhos e a identidade.
Tema: Resgate
Data: de 13 a 17 de fevereiro
Local: Sítio IBC (Rua do Cruzeiro, 401 & Pedras)
Informações: (85) 3444 3612

IGREJA BATISTA FILADÉLFIA
O pastor Luiz Correia vai promover uma reflexão sobre o estado das igrejas evangélicas, destacando o que faz uma igreja ser espiritualmente saudável.
Tema: Marcas de uma Igreja saudável
Data: 12 a 17 de fevereiro
Local: Estância Vale do Vento & Maanguape

ACAMP IPA 2010
O Acampamento da Igreja Presbiteriana da Aldeota envolve quase 115 pessoas entre acampantes e equipe de organização, desfrutando de quatro dias de comunhão. Estão programados palestras, momentos de louvor, aconselhamento, esportes e gincanas.
Tema: Saia da Matrix. Bem-vindo à Realidade (João 8.31 e 32)
Data: De 13 a 17 de fevereiro
Local: Acampamento Rev. Helnir Cortez - Eusébio

SEMEAR 2010 - COMUNIDADE CATÓLICA OBREIROS DA TARDINHA (COT)
O encontro acontece simultaneamente em vários bairros de Fortaleza e em municípios da Região Metropolitana, reunindo fiéis que desejam se aproximar de Deus. A programação prevê orações, formações, momentos de louvor e apresentações artísticas.
Data: Dias 14, 15 e 16 de fevereiro, a partir de 8h
Tema: Crescimento, conhecimento, graça, Jesus!
Locais: Jardim Guanabara (Colégio Dom Quintino - Rua Cecil Salgado, 53)
Centro (Casa de Formação COT - Rua Pedro Pereira, 1506)
Antônio Bezerra (Escola Professor Joaquim Nogueira - Rua Pe. Perdigão Sampaio, 250)
Pan Americano (Escola José Batista de Oliveira - Rua Goiás, S/N)
Granja Portugal (EMEIF Reitor Antº Martins Filho - Rua Teodoro de Castro, S/N)
Serrinha (Colégio Maria Ester - Rua Antônio Teixeira Leite, 500)
Pajuçara & Maracanaú (Colégio Raimundo Nonato Vieira - Rua Petrônio Portela, 125)
Itapipoca (Colégio N. Sra. das Mercês - Patronato - Rua Duque de Caxias, 1181 & Centro)
Informações: (85) 3214.1664

PROCLAMAR 2010 - COMUNIDADE CATÓLICA EMANUEL
Data: Dias 14, 15 e 16 de fevereiro
Local: Colégio 21 de julho & Conjunto Prefeito José Walter, em Fortaleza
Valor: Entrada franca

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Ricardo Guilherme - 40 Anos de Teatro - 2010

RICARDO GUILHERME (FORTALEZA, 1955)

Professor, vice-coordenador e um dos criadores do Curso Superior de Artes Cênicas da Universidade Federal do Ceará, com experiência em diversas universidades da Europa, da África, da América Central e da América do Norte. Representante do Brasil em inúmeros festivais mundiais de teatro e congressos internacionais de encenação e dramaturgia. Especialista em Comunicação Social, reconhecido como Notório Saber em curso de pós-graduação da Universidade de Brasília.

Historiador, com livros sobre a história do teatro, premiado pelo Ministério da Cultura, nos anos setenta, por seu trabalho de pesquisador. Jornalista Colaborador, contista, cronista e poeta . Fundador do Grupo Pesquisa (1978) e um dos fundadores da Televisão Educativa do Ceará (hoje TVC) e da Rádio Universitária. Roteirista de cinema e TV. Ex-vice-presidente da Federação Estadual de Teatro. Criador do Museu Cearense de Teatro (1975, atual Centro de Pesquisa em Teatro) e organizador do Museu dos Teatros de Estudantes do Brasil, criado por Paschoal Carlos Magno (1977).

Formulador da teoria e do método do Teatro Radical Brasileiro (1988), objeto de pesquisa de alguns trabalhos acadêmicos.. Ator, dramaturgo e diretor teatral, com uma teatrografia de mais de cem espetáculos realizados, em quase quatro décadas de atividade, numa trajetória nacional e internacional.



CRÍTICAS

Guilherme revela as suas potencialidades vocais com uma gama de recursos cada vez mais rara nos atores brasileiros. (Macksen Luiz, crítico teatral, Jornal do Brasil - Rio de Janeiro/RJ, l982)

Ator dotado de grande flexibilidade interpretativa. (Clóvis Garcia, crítico teatral, O Estado de São Paulo - São Paulo/SP, l982)

Como ator, Ricardo Guilherme mostra que tem recursos de ator muito diversificados. Ele tem uma garra interpretativa digna de todo o respeito. (Yan Michalski, crítico teatral – Rio de Janeiro/RJ, 1982)

Guilherme é, sem dúvida, um artista por excelência, um verdadeiro homem de teatro, pelo seu mérito intelectual e sobretudo pelo significado que tem conseguido imprimir à sua criatividade.( Millôr Fernandes, escritor – Rio de Janeiro/RJ, l985)

Poderoso intérprete que põe em ação todos os seus notáveis recursos de ator (Moema Silva, jornalista, O Sete - Lisboa/Portugal, l985)

Dificilmente se poderá deixar de aplaudir esse imenso saber que permite a Ricardo Guilherme transformar o seu corpo numa tão bela oficina teatral. Sua criação ficará como referência indispensável ao estudo do trabalho do ator em Portugal.(Carlos Porto, crítico teatral, Diário de Lisboa – Lisboa/Portugal, l984)

Ricardo é um magnífico ator, um dos melhores do país, e também um encenador com uma proposta inovadora no discurso.(B. de Paiva, diretor de teatro, O Povo – Fortaleza/CE, 1985)

Guilherme, ator brasileiro de extraordinárias qualidades, dotado de grande vitalidade. Sua direção é uma licão de coerência interna. (Arnoldo Mora, crítico teatral, Reflexion - San José/ Costa Rica, 1987)

Não há espectador – por mais embrutecido, cínico ou insensível que seja – que não se toque com a carga emocional de Ricardo Guilherme. Seu trabalho é cerebral e instigante. (Jaguar, escritor, O Pasquim – Rio de Janeiro/RJ, 1982)

O desempenho de R. Guilherme rompe a barreira dos idiomas. (Jorge Luis Carrigan, crítico teatral, Jornal do Festival de La Habana - Havana/Cuba, 1987)

Ricardo dá uma lição admirável de interpretação na qual a sua voz é utilizada com uma gama riquíssima de matizes e a expressão corporal é desenvolvida plenamente e com uma aparência admirável de ausência de esforço. (Carlos Miguel Suarez Radillo, crítico teatral - Madri/Espanha, 1984)

Ricardo é um acontecimento teatral de alto nível. (Lia Salvarani, jornalista, La Reppublica – Roma/Itália, 1984)

Ricardo interpreta com extraordinária e impressionante originalidade. (Helmut Feldman, brasilianista – Koln/ Alemanha , 1984)

Vê-se uma brilhante interpretação de R. Guilherme. (Cherif Khaznadar, diretor da Maison des Cultures du Monde Paris/França, 1985)

Ricardo Guilherme consegue o prodígio de manter os espectadores pendentes de cada um dos seus gestos e palavras. (José Mena Abrantes, crítico teatral, Jornal de Angola – Luanda/ Angola, 1989)

O trabalho de voz e de corpo de Ricardo Guilherme explora os contrastes com muito vigor. (Eugênio Barba, diretor do Grupo Odin Theatet - Fortaleza/CE, 1991)

Ricardo tem um forte domínio de palco e aquela qualidade natural que poucos dominam: o emprego adequado da palavra. (Eliézer Rodrigues, crítico teatral, Diário do Nordeste – Fortaleza/CE, 1991)

Em busca de identificação de um tipo nacional, R. Guilherme empenhou-se em elaborar um projeto capaz de resgatar, através do teatro, toda a riqueza do povo brasileiro. (Cláudio Gonçalves, jornalista, Jornal BsB Brasil – Brasília/DF, 1991)

Ricardo é pura emoção no palco. É vitalidade, transgressão. (Carmen Moretzson, jornalista, Jornal de Brasília – Brasília/DF, 1991)

Sua criação é originalíssima. Ricardo Guilherme é hoje um dos mais respeitados nomes do teatro brasileiro. (Aramis Millarch, crítico teatral, O Estado do Paraná – Curitiba/PR, 1991)

Ricardo, em seus trabalhos, dá uma poderosa demonstração de criatividade e se revela como um homem de teatro que alia ética e estética. (Aderbal Freire-Filho, diretor de teatro e dramaturgo – Rio de Janeiro/RJ, 1992)"

Video :Edimar Bento

leia:http://www.centrodefortaleza.com.br/Paginas/Destaques.php?titulo_resumo=Solos%20de%20Ricardo%20Guilherme
video

Patativa do Assaré - Ricardo Guilherme - Leituras Dramatizadas


video

OUVIR DIZER (Apresentação de leituras dramatizadas)

Programa que tem o objetivo de apresentar leituras dramatizadas de textos de autores da literatura brasileira e universal, de forma a proporcionar ao público, momentos de reflexão e fruição estética, incentivando ao aprofundamento de possíveis e posteriores leituras. O programa visa ainda ampliar a audioteca do BNB, com a gravação das leituras dramatizadas, disponibilizando tal acervo sonoro a deficientes visuais e a consultas de outros interessados.

CCBNB- Fortaleza

Video : Edimar Bento

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Queremos Deus XXI Edição 2010










Para um público de 30 mil pessoas, segundo a organização do evento, Dom José falou sobre a misericórdia de Deus:”A misericórdia de Deus é eterna, o seu amor é eterno, e se manifesta nas nossas vidas”
Em 2010, o Queremos Deus foi marcado pelas homenagens à fundadora da Pastoral da Criança no Brasil, a médica Zilda Arns, vítima do terremoto no Haiti, em janeiro passado, e ao padre Caetano Minette de Tilesse, líder de vários projetos sociais no bairro Pirambu, criador do Instituto Religioso Nova Jerusalém e falecido no primeiro dia deste ano.

Programação do Queremos Deus 2010

12h – Abertura dos Portões
14h – Início do evento - Louvor e Animação com o Ministério de Música
15h – Momento Cívico
15h10 – Terço da Misericórdia, com o Pe. Antônio Furtado e Kelly Patrícia
16h – Pregação - "Sua Misericórdia é eterna", com Vitor Hugo - Coordenador do Ministério de Pregação da RCC da diocese do Crato
16h30 – Celebração da Santa Missa pelo arcebispo de Fortaleza, Dom José Antônio
18h – Adoração ao Santíssimo Sacramento e Momento Mariano

Serviço:

XXI Queremos Deus 2010
Tema: Sua Misericórdia é Eterna
Local: Parque de Exposições Governador César Cals (Expoece)
Data: 07 de fevereiro de 2010
Horário: a partir das 14h
Ingresso: R$ 1,00 + 1kg de alimento
Locais de venda e ingresso e camisas: Lojas Bet Set
Informações: (85) 3258.1182/3258.1188/8806.3783/9916.2992


Leia mais :http://opovo.uol.com.br/opovo/fortaleza/951950.html

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Dom Bosco - Salesianos - Urna de Dom Bosco - Fortaleza







QUEM SÃO OS SALESIANOS?
A obra salesiana começou com uma aula de catecismo simples, que São João Bosco deu a dezesseis anos de idade, pedreiro de aprendiz. A partir desse momento, os salesianos têm trabalhado para levar a Boa Nova do amor de Deus para os jovens, especialmente os mais pobres e os mais necessitados. Como Dom Bosco colocou: "Basta que sejais jovens para que eu te amo!"

Talentoso, carismático e generoso, São João Bosco foi um gênio com os jovens, especialmente aqueles que estavam desempregados ou com problemas. Como um jovem sacerdote se deu conta de seus sonhos com criatividade pastoral grande e audaz. Sem dúvida ele foi um dos maiores educadores do seu tempo (1815-1888).

Na verdade, a sua clarividência no que diz respeito aos jovens só está sendo totalmente apreciado hoje. Como um jovem padre ensinou os jovens a ler e escrever, e encarregou-los em uma variedade de rotas para que eles possam ganhar a vida. Acima de tudo, ele se tornou seu amigo de confiança. A fim de continuar seu trabalho, ele fundou uma comunidade religiosa de padres e irmãos.



Foi chamada de Sociedade de São Francisco de Sales, após seu santo preferido própria, cuja doçura e bondade que ele queria imitar. Hoje eles são conhecidos como os Salesianos de Dom Bosco (SDB).

Dom Bosco era um homem de grande visão e logo percebeu a importância de alargar o seu trabalho com os jovens para as meninas. Ele pediu a ajuda de Maria Mazzarello para fundar as Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), agora conhecido simplesmente como Filhas de Maria Auxiliadora. Hoje existem cerca de 35.000 salesianos e irmãs de trabalho para os jovens em casa e sobre as missões em mais de 100 países. Eles estão ativamente envolvidos em todos os tipos de programas pastorais, educativas e de catequese em nome dos jovens. Seu estilo de vida, como a de seus dois fundadores santo, é caracterizada pela alegria, simpatia e um profundo amor de Cristo nos jovens.
- Filosofia Salesiana --

Como as pessoas que se importam com os jovens, os Salesianos reconhecem a importância de caminhar com os jovens, incentivando e orientando suavemente. Nós acreditamos que há um tesouro em cada pessoa e nós somos chamados a ajudar de alguma forma os jovens encontrar seu tesouro interior, nomeá-la e usá-lo para construir um mundo melhor. Demitido pelo espírito de Dom Bosco, nós celebramos a presença de Deus nos jovens e os pobres. Junto com eles lutamos para transformar em realidade em nossas vidas e nosso mundo os valores do evangelho. Estamos a muitos jovens e pobres que experimentam pouco de dignidade e valor, e para quem o Evangelho ea Igreja têm pouco significado.

São João Bosco inspirou milhares de pessoas, jovens e velhos, padres, irmãos, irmãs e leigos, para alcançar a santidade em suas vidas. A Igreja reconheceu muitas delas como excepcional em santidade e merece o título de Saint, Blessed, ou Venerável Servo de Deus. Nós, também, pode ser inspirado pela leitura de suas vidas.

Todos os programas de educação salesiana são baseados no Sistema Preventivo de Dom Bosco, que por sua vez é baseada na razão, a ética e a bondade amorosa.
Os Salesianos participar ativamente nos programas de elevação moral e social e de educação que têm impacto sobre a juventude, proporcionando-lhes o seguinte:


»Um profundo sentimento de dignidade através da descoberta e valorização de recursos pessoais;
»Uma oportunidade para os alunos tomam a iniciativa e participar ativamente na tomada de decisões sobre suas próprias vidas e meio ambiente;
»Um senso de responsabilidade e obrigação.

»Um apreço pelos valores sociais e culturais da comunidade.


Para atingir os seus objectivos, os salesianos utilização, em conjunto com escolas e paróquias, as estruturas de ensino conhecido como "centros de juventude", que são lugares onde você aprende a amar e ser amado, e uma escola onde você pode aprender a viver e trabalhar.

O centro de juventude proporciona jovens de ambos os sexos, com ensino profissional, formação técnica, emprego, assistência médica e educação em saúde e programas de desenvolvimento humano, desenvolvimento e crescimento pessoal são promovidos através da comunicação, a auto-estima e auto-avaliação de cursos, a definição de curto prazo e oportunidades de metas de longo prazo, e fornecimento de tomar decisões.


Cursos de formação de liderança da Juventude e outros programas que se destinam a reconhecer o potencial do aluno também são realizadas.

Jovens aprendem a dinâmica de grupo e de gestão e aprendem a identificar as qualidades de liderança pessoal. Os programas abrangem cursos sobre higiene, primeiros socorros, doenças infecciosas como a cólera, doenças sexualmente transmissíveis, HIV / AIDS (Quer saber mais), a importância da vacinação, abuso de drogas, álcool, tabaco e substâncias tóxicas, educação sexual e planeamento familiar .


Urna de Dom Bosco em Fortaleza 05,06 e 07 de Fevereiro de 2010.
O trajeto das relíquias teve início em julho deste ano, na Itália, e faz parte da preparação do bicentenário de Dom Bosco (1815-2015). A peregrinação será realizada por 130 países onde existe a presença salesiana e deve ser concluída em Turim no dia 16 de agosto de 2015, data em que serão celebrados os 200 anos de nascimento de Dom Bosco.

A urna traz as datas relativas ao bicentenário gravadas, o escudo da congregação salesiana e o lema carismático que o próprio Dom Bosco tomou para si: "Da mihi animas, coetera tolle" (Dai-me almas, ficai com o resto). Os pilares da urna são adornados com ladrilhos quadrangulares que representam rostos de jovens dos cinco continentes.
Fotos:Edimar Bento

Espaço Cultural dos Correios - pulsões aleatórias no terreiro do maracatu











Coletivos Traços Aleatórios

Abertura - 28 de janeiro de 2010 ás 19h
29 de janeiro a 13 de março de 2010
segunda asexta, das 8h ás 17h
sábados, das 8h ás 12h

Espaço Cultural Correios

rua senador alencar,38 centro - Foraleza- Ce

Urna de Dom Bosco e a Cidade das Crianças - Fortaleza - Ceará - Brasil


Ó Deus, que suscitastes São João Bosco para Educador e Pai dos Adolescentes e Jovens,fazei que, inflamados da mesma caridade,procuremos a salvação de nossos irmãos,colocando-nos inteiramente ao vosso serviço.

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espirito Santo.

Amém.
Data de Nascimento:16 de agosto de 1815
Data Falecimento:31 de janeiro de 1888

Criação da Congregação: 26 de janeiro de 1854
Data de canonização: 1 de abril de 1934

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Arautos do Evangelho - Relíquias de Dom Bosco - Fortaleza-Ce Catedral Metropolitana de Fortaleza






Os Arautos do Evangelho são uma Associação internacional de Fiéis de Direito Pontifício, a primeira a ser erigida pela Santa Sé no terceiro milênio, o que ocorreu por ocasião da festa litúrgica da Cátedra de São Pedro (22 de fevereiro) em 2001.


Composta predominantemente por jovens, esta Associação está presente em 78 países. Seus membros de vida consagrada praticam o celibato, e dedicam-se integralmente ao apostolado, vivendo em casas destinadas especificamente para rapazes ou para moças, os quais alternam a vida de recolhimento, estudo e oração com atividades de evangelização nas dioceses e paróquias,dando especial ênfase à formação da juventude.


Embora não professem votos e conservem-se no estado leigo - exceção feita de alguns que abraçam as vias do sacerdócio - os Arautos do Evangelho procuram praticar em toda a sua pureza fascinante os conselhos evangélicos.

Vivem normalmente em comunidade (masculinas ou femininas), num ambiente de caridade fraterna e disciplina. Em suas casas fomenta-se uma intensa vida de oração e estudo, seguindo-se a sapiencial diretriz do Papa João Paulo II:


"A formação dos fiéis leigos tem como objetivo fundamental a descoberta cada vez mais clara da própria vocação e a disponibilidade cada vez maior para vivê-la no cumprimento da própria missão" (Christifidelis Laici, 58).

Seu fundador é Mons. João Clá Dias.


Outra categoria de membros são os Cooperadores, os quais "embora sintam-se identificados com o espírito da Associação - lê-se nos Estatutos - não podem comprometer-se plenamente com os objetivos dela, devido a seus compromissos sacerdotais, ao fato de pertencerem a algum instituto de vida consagrada ou sociedade de vida apostólica, ou a seus deveres matrimoniais ou profissionais".

Leigos, casados ou solteiros que vivem no mundo, sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas, leigos de vida consagrada ou membros de outras associações ou movimentos apostólicos, os Cooperadores dos Arautos do Evangelho, além de observarem os preceitos e deveres próprios a seu estado, esforçam-se por viver em conformidade com o carisma e a espiritualidade da Associação, dedicando a ela seu tempo livre e se comprometendo a cumprir certas obrigações.


Finalidade


Nos primeiros artigos de seus Estatutos encontra-se delineada a vocação dos Arautos do Evangelho:


"Esta Associação .... nasceu com a finalidade de ser instrumento de santidade na Igreja, ajudando seus membros a responderem generosamente ao chamamento à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade, favorecendo e alentando a mais íntima unidade entre a vida prática e a fé. ....


Além disso, a Associação tem como fim a participação ativa, consciente e responsável de seus membros na missão salvífica da Igreja através do apostolado, ao qual estão destinados pelo Senhor, em virtude do Batismo e da Confirmação. Devem, assim, atuar em prol da evangelização, da santificação e da animação cristã das realidades temporais."

Espiritualidade


Os Arautos têm sua espiritualidade alicerçada em três pontos essenciais: a Eucaristia, Maria e o Papa, como está definido nos seus estatutos:


"A espiritualidade tem como linhas mestras a adoração a Jesus Eucarístico, de inestimável valor na vida da Igreja para construí-la como una, santa, católica e apostólica, corpo e esposa de Cristo (EE 25, 61); a filial piedade mariana, imitando a sempre Virgem e aprendendo a contemplar n'Ela o rosto de Jesus (NMI 59); e a devoção ao Papado, fundamento visível da unidade da fé (LG 18)."

Esses pontos estão representados em destaque no brasão que os distingue.


Carisma

Seu carisma os leva a procurar agir com perfeição em busca da pulcritude em todos os atos da vida diária, mesmo estando na intimidade e está expresso no sublime mandamento de Jesus Cristo: "Sede perfeitos como vosso Pai Celeste é perfeito" (Mt 5, 48).

Para o Arauto do Evangelho, este chamamento à perfeição não deve ficar restrito aos atos interiores, mas exteriorizar-se em suas atividades, de modo que melhor reflitam a Deus. Isto quer dizer que ele deve revestir de cerimonial as suas ações cotidianas, seja na intimidade de sua vida particular, seja em público, na obra evangelizadora, no relacionamento com os irmãos, na participação da Liturgia, nas apresentações musicais e teatrais, ou em qualquer outra circunstância.


Esta procura da perfeição significa não só abraçar a verdade, praticar a virtude, mas também fazê-lo com pulcritude, com beleza, a qual pode ser importante elemento de santificação.

Com razão lembra o Santo Padre, na Carta aos Artistas, o oportuno ensinamento do Concílio Vaticano II:

"O mundo em que vivemos tem necessidade de beleza para não cair no desespero.


A beleza, como a verdade, é a que traz alegria ao coração dos homens, é este fruto precioso que resiste ao passar do tempo, que une as gerações e as faz comungar na admiração".


Evangelização através da cultura e da arte


Por verem na cultura e na arte eficazes instrumentos de evangelização, os Arautos habitualmente lançam mão da música, tanto pelas vozes como pelos instrumentos.

Assim é que grande número de coros, orquestras e conjuntos musicais foram constituídos por Arautos, a fim de levar sua mensagem de fé e de esperança à sociedade contemporânea .


Esse papel tão importante da arte tem sido ressaltado pelo Papa Bento XVI - ele mesmo um grande apreciador de música - em várias ocasiões, como por exemplo nas palavras finais de agradecimento pelo concerto oferecido pelo Presidente da República Italiana por ocasião do terceiro aniversário do pontificado, a 24/04/2008:


"Existe uma misteriosa e profunda relação entre música e esperança, entre canto e vida eterna: por este motivo a tradição cristã representa os espíritos bem-aventurados, enquanto cantam no coro, raptados e extasiados pela beleza de Deus.

Porém a arte autêntica, como a oração, não nos torna alheios à realidade cotidiana; mas nos conduz a ela para "impregná-la" e fazer que reviva, para que dê frutos benéficos e paz".

Ao Visitar as Relíquias de Dom Bosco na Catedral Metropolitana de Fortaleza, conheci um membro do Arautos do Evangelho solicito e educado me deu informações sobre os Arautos do Evangelho, agora pesquisei na web e vou divulgar no meu Blog.

Fotos: Edimar Bento
http://www.arautos.org/view/show/341-arautos-do-evangelho

Catedral Metropolitana de Fortaleza - Urna de Dom Bosco

video

Video: Edimar Bento

Fortaleza - Piedade - Paróquia de Nossa Senhora da Piedade
















PÁROCO
Pe. Orsini Nuvens Linard, SDB

ENDEREÇO DA IGREJA MATRIZ
Rua Joaquim Torres, 185
Ver mapa de localização

SECRETARIA
Rua Joaquim Torres, 185 - Piedade - 60135-130 - Fortaleza - Ceará
Fone: (85) 3254-8080 - Fax: (85) 3251-2019
E-mail: secretaria@dombosco-ce.com.br
Web site: www.dombosco-ce.com.br


DIAS E HORÁRIOS DE MISSAS
Domingo: 07h00min, 08h30min, 16h30min, 18h00min, 19h30min
Segunda-feira: 06h30min, 17h00min
Terça-feira: 06h30min, 17h00min
Quarta-feira: 06h30min, 17h00min
Quinta-feira: 06h30min, 17h00min
Sexta-feira: 06h30min, 17h00min
Sábado: 06h30min, 18h00min

DECRETO DE CRIAÇÃO
Sessenta e nove anos, centralizando, animando e dirigindo as atividades pastorais, catequéticas e de apostolado de uma comunidade rica de fé e espiritualidade. Comunidade que tem sabido ser “sal da terra” e “luz do mundo” porque exemplo pungente de como, entre homens irmãos, animados pela palavra de Deus, se faz possível dar início à construção do Reino a cuja glória e realização plena, estamos destinados no fim dos tempos.

Vamos lembrar um pouco da história de nossa Paróquia e de sua Igreja Matriz, história que é também um pedaço de nossa caminhada como Povo de Deus peregrino.
Antes da construção da atual Igreja matriz existia em seu lugar uma pequena capela, dedicada a Nossa Sra. da Piedade, durante muito tempo entregue aos cuidados do monsenhor Otávio de Castro. As missas dominicais na capelinha eram celebradas por um padre novo, que viria a ser uma das maiores figuras do clero brasileiro. Tratava-se do Pe. Helder Pessoa Câmara, de saudosa memória, pastor querido dentro e fora do Brasil, foi autêntico profeta da Igreja. Em 1928, no dis 08 de julho, a capela desabou, sendo construida em seu lugar uma nova Igreja que, posteriormente reformada, resultou na Matriz que hoje conhecemos.
No ano de 1934, o Arcebispo D. Manoel da Silva Gomes criou a Freguesia de Santa Terezinha, primeira denominação de nossa atual Paróquia, funcionando a capela de N. Sra. da Piedade como matriz provisória, até o ano de 1939.
Em 1938 D. Manuel entregou a Paróquia de Sta. Terezinha à responsabilidade dos Padres Salesianos. A partir de outubro de 1939, a capela de N. Sra. da Piedade foi elevada à categoria de Igreja Matriz da Paróquia de Santa Terezinha.
Em dezembro de 1950 a Paróquia de Santa terezinha muda de nome, passando à sua atual denominação de Paróquia de Nossa Sra. da Piedade.
A imagem da Padroeira, que está sobre o altar-mór, veio da Espanha no ano de 1953, especialmente encomendada pela família Gentil Barreira, que doou à Paróquia. Trata-se de uma réplica da Pietá, obra prima do gênio renascentista de Michelangelo, escultura em mármore que se encontra na Igreja de São Pedro em Roma.
Urna de Dom Bosco chegou ao meio dia de hoje , 06 de fevereiro ,sábado na paróquia da piedade vinda da Catedral Metropolitana de Fortaleza, onde ficará até o dia 07, onde seguirá para Belém - PA.
Foto: Edimar Bento

Giovanni Melchior Bosco - Urna de Dom Bosco em Fortaleza
















Giovanni Melchior Bosco nasceu em 16 de agosto de 1815 em Becchi, perto de Turim, norte da Itália. Ficou órfão de pai aos 2 anos de idade. Margarida, sua mãe, ensinou-lhe a ver Deus em tudo, principalmente no rosto dos mais pobres.
Aos 9 anos, teve um sonho que marcou a sua vida. Um senhor majestoso e uma nobre senhora dão a dica: "Torna-te forte, humilde e robusto. A seu tempo, tudo compreenderás. Aprende com os saltimbancos dos circos ambulantes, dá espetáculo para seus colegas, conta-lhes histórias e conquista-lhes o coração. Leva todo mundo para a Igreja".
Seu irmão Antônio, que não gostava dele, não o deixa estudar. Assim, saiu de casa com 12 anos de idade. Cuidava de bois na fazenda dos Moglia e estudava debaixo das árvores. Voltou para casa apenas quando Antônio se casou.
Entrou no seminário de Chieri. Inteligente e dedicado, aprendeu ofícios de alfaiate, ferreiro, encadernador, tipógrafo e outros.
Em 5 de junho de 1841, foi ordenado sacerdote em meio à revolução industrial. Logo iniciou sua obra de educação de crianças, por influência de São José Cafasso. Dedicou-se aos jovens abandonados da cidade de Turim, "produtos da era da industrialização", que então começava. A realidade era dura para aqueles que haviam deixado o campo em direção à cidade.
O que mais chocava Dom Bosco eram as cadeias cheias de jovens. Essa realidade o impressionava tanto que decidiu impedir que meninos tão jovens acabassem na cadeia. Os párocos de Turim sentiam o problema, mas esperavam que os garotos os procurassem na sacristia. Dom Bosco foi ao encontro deles na rua, nos botequins onde trabalhavam.
Em 1841, começou o Oratório de Dom Bosco, com Bartolomeu Garelli, um oratório diferente dos outros. Em questão de meses, o oratório tinha 80 jovens. Em 1847, Dom Bosco sentiu necessidade de recolher os meninos em internatos-escola.
Em 1853, Dom Bosco começou as escolas profissionais. Neste meio, estão presentes as oficinas de alfaiate, encadernação, marcenaria, tipografia e mecânica, respostas às necessidades da época. Para mestres destas oficinas, Dom Bosco inventou um novo tipo de religioso: o coadjutor salesiano.
O internato do Oratório de Valdocco cresceu. Em 1861, eram 800 meninos. Mamãe Margarida vendia objetos de estimação para arranjar dinheiro. Alimentar e educar aqueles meninos custava muito. Em 1859, Dom Bosco reuniu o primeiro grupo de jovens educadores no Oratório. Este grupo deu origem à Congregação Salesiana.
Dom Bosco, santo de ações rápidas, não esperava pelo amanhã, começava logo. Naqueles tempos de fome e miséria não se podia esperar muito. Dom Bosco e os salesianos sabiam que "era preciso ensinar a pescar em vez de dar o peixe". Sabiam também que, em muitos casos, era preciso dar o peixe para que o garoto tivesse condições de aprender a pescar.
Nos anos seguintes, Dom Bosco fundou e organizou a Congregação Salesiana, o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e os Cooperadores Salesianos. Costruiu, em Turim, a Basílica de Nossa Senhora Auxiliadora, e fundou 59 casas salesianas em 6 países. Abriu as missões na América Latina. Publicou as Leituras Católicas para o povo mais simples. Sobretudo, viveu o modo evangélico de educar através da Razão, Religião e Carinho, que passa à história como referencial pedagógico denominado Sistema Preventivo.
A alguém que lhe lembra tudo o que fez, responde: Eu não fiz nada. Foi Nossa Senhora quem tudo fez.
Morreu em 31 de janeiro de 1888, deixando esta recomendação: Amem-se como irmãos. Façam o bem a todos e o mal a ninguém. Digam a meus jovens que os espero no paraíso. Foi beatificado em 1929 e canonizado por Pio XI em 1934.
Quando da morte de Dom Bosco, haviam 14 escolas profissionais espalhadas pela Itália, França, Espanha e Argentina. Chegaram a 200 em todo o mundo.
Foto: Edimar Bento